BNCC prevê mudanças e desafios para o Ensino Médio

Veículo: Jornal O Povo

Data: 23/03/2018

Está chegando o momento que toda comunidade escolar tem pedido já há algum tempo: as novas diretrizes de conteúdo do Ensino Médio, que serão norteadas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Podemos dizer que é um momento esperado porque, nos últimos anos, os problemas enfrentados pelos alunos, professores, diretores e mantenedores, dentro das escolas que oferecem esse segmento, sejam públicas ou privadas, só se agrava. A evasão de alunos e o papel de professores em sala de aula tem sido bastante comentado em todas as esferas.

Leia Mais

Alunos aprendem sobre o universo do Legislativo em visita à Assembleia de Goiás

Projeto Escola Legislativa visa aproximar os estudantes da sociedade, estimulando o conhecimento e a prática da cidadania

 Aprender sobre as responsabilidades como cidadão é algo que deve ser ensinado desde cedo. Reconhecer os valores da sociedade, colocar em prática o conteúdo aprendido em sala de aula e saber fazer a diferença por um mundo mais justo são características fundamentais para serem desenvolvidas durante o período escolar.

Pensando nisso, os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental II do Colégio Integrado Jao, de Goiânia (GO), participaram do Projeto Escola do Legislativo, coordenado por Maurício Basbosa Paranaguá, chefe da seção de projetos especiais da Assembleia Legislativa de Goiás.

Sob supervisão da coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental II, Thatianne Cavalcanti, os alunos fizeram uma visita à Assembleia com o objetivo de ver na prática o conteúdo aprendido em sala de aula, reconhecer a importância da cidadania, do voto, e também, oferecer a possibilidade de cada estudante se reconhecer como indivíduo na sociedade.

“Além do projeto aproximar a comunidade escolar do Legislativo, houve uma parte de fundamento histórico, então os alunos vivenciaram tudo o que viram nas aulas e ainda receberam um certificado”, afirma Thatianne. Além disso, os próprios pais dos alunos apoiaram a iniciativa. “A receptividade dos responsáveis foi excelente, tivemos um grande apoio”, destaca a coordenadora.

Entre os alunos, a iniciativa sempre é lembrada como referência de projeto que permite levá-los a aprender os conteúdos de uma maneira mais prática, fora do método convencional dentro da sala de aula. “Sempre que nós perguntamos aos alunos como a escola poderia melhorar em alguns aspectos como em projetos, eles sempre lembram dessa iniciativa”, diz Thatianne. “Nós estamos esperando o próximo convite da Assembleia para levar novas turmas este ano”, conclui.

O Colégio Integrado Jao ainda possui projetos voltados à leitura e escrita criativa, que estimula os alunos a produzir textos para uma olimpíada avaliada pelos professores.

Se você é professor, aluno ou gestor, compartilhe seus projetos pedagógicos com o pH. Quanto mais dividimos o nosso sucesso, mais ganhamos força. Vamos juntos? Envie-nos a sua história.

Aulas de xadrez estimulam o desenvolvimento de alunos do Ensino Fundamental I em Caruaru, PE

Estudantes entre 9 e 14 anos do Colégio Alternativo têm aulas teóricas e práticas de xadrez todas as semanas dentro do currículo escolar

Em alguns registros históricos o jogo de xadrez aparece pela primeira vez no século III a.C., mas os primeiros registros literários que de fato retrata o jogo está datado no século XV no poema persa Karnamak. Desde o início o xadrez já estimulava a concentração e a competitividade, aumentando o pensamento criativo, estratégico e também a autoestima dos jogadores.

Pensando no jogo de xadrez como um processo de aprendizagem, o Colégio Alternativo, de Caruaru, em Pernambuco, aderiu ao projeto O Pequeno Enxadrista, criado pela professora e autora do material didático, Ângela Macedo. Há cerca de cinco anos, os alunos do Ensino Fundamental I vêm trabalhando seu desenvolvimento através das técnicas do xadrez, que ajuda na concentração e, inclusive, melhora o desempenho nas outras disciplinas.

“São duas aulas por semana, uma teórica e uma prática, ministradas por professores treinados com base no material O Pequeno Enxadrista”, afirma a coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental I, Eliana Melo. Os alunos do primeiro ao quinto ano participam de competições e olimpíadas de xadrez dentro e fora da escola e os benefícios das atividades são nítidos, segundo a coordenadora.

“Os alunos melhoram nos aspectos de organização, responsabilidade, concentração, raciocínio lógico e até mesmo na forma como tratam as outras pessoas, se tornam mais respeitosos”, diz Eliana. “Muitos pais elogiam a forma como o xadrez gera benefícios na educação e no desenvolvimento das crianças”, conclui.

Recentemente, o Colégio Alternativo criou um canal no Youtube, chamado Xeque-mate Alternativo, com o objetivo de dar dicas e falar sobre a importância do xadrez dentro das instituições de ensino.

Se você é professor, aluno ou gestor, compartilhe seus projetos pedagógicos com o pH. Quanto mais dividimos o nosso sucesso, mais ganhamos força. Vamos juntos? Envie-nos a sua história.

Projeto de poesia estimula a escrita e a leitura de alunos no Rio de Janeiro

Trabalhado com estudantes do Ensino Fundamental I e II, projeto Momentos Poéticos realiza atividades sobre os principais poetas brasileiros e suas obras

A poesia tem uma importância fundamental para a literatura brasileira. Poetas como Carlos Drummond de Andrade, Machado de Assis, Manuel Bandeira e Vinicius de Moraes aparecem nos principais livros de História, Língua Portuguesa e fazem parte do aprendizado de crianças e adolescentes dentro das escolas. Segundo especialistas, ler poesia contribui para a melhor interpretação e produção textual, além de aumentar a relação dos estudantes com a literatura.

Com tantos benefícios para a formação acadêmica dos jovens, o Centro Escolar de Copacabana, no Rio de Janeiro, desenvolveu o projeto Momentos Poéticos junto ao Conselho da instituição. As atividades voltadas aos alunos do Ensino Fundamental I e II consistem em trabalhar poetas brasileiros, desde sua biografia e principais obras, como também a região em que ele nasceu e viveu com as características geográficas, históricas e econômicas de cada lugar.

Segundo Maria Clara, professora do 5º ano e uma das conselheiras do Centro, o projeto visa incentivar a leitura e a escrita. “O principal objetivo do Momentos Poéticos é fazer com que os alunos leiam mais, produzam mais textos e coloquem a criatividade no papel, pois dessa forma conseguimos incentivar e avaliar a produção textual de cada um”, afirma.

Entre as atividades propostas dentro do projeto, acontecem diversos saraus onde os próprios alunos recitam poesias do principal poeta trabalhado. “A escolha de quantos poetas brasileiros e de que forma ele será trabalhado em sala fica a critério do professor de cada turma”, diz Maria Clara. “Nós professores entramos em um consenso e tentamos diversificar sempre que possível; algumas vezes nós trabalhamos um poeta e concluímos o estudo sobre ele com um sarau na data de seu aniversário, como foi o caso de Carlos Drummond de Andrade”, conclui.

No dia do aniversário de Carlos Drummond de Andrade, os alunos de 3º, 4º e 5º ano se uniram a foram junto dos professores e coordenadores até a estátua que retrata a figura do poeta na orla da praia de Copacabana. No local, a turma realizou um sarau, cantou músicas com acompanhamento de um dos alunos do Ensino Médio que levou um violão, e ainda distribuiu poesias e flores para os pedestres.

“É incrível ver o desempenho e a dedicação de cada um, esse projeto ajuda muito no aprendizado, é algo que eles discutem até mesmo fora da escola”, diz a professora. “Nós pretendemos continuar com essas atividades por bastante tempo porque é algo que traz resultados efetivos para o ambiente escolar e para a vida de cada um de nossos alunos”, conclui.

Se você é professor, aluno ou gestor, compartilhe seus projetos pedagógicos com o pH. Quanto mais dividimos o nosso sucesso, mais ganhamos força. Vamos juntos? Envie-nos a sua história.

Da estante ao tablado: colégio estimula hábito de leitura com dramatização e participação da família

“Paixão de Ler” envolve comunidade escolar e premia prazer pela leitura com peças teatrais no Recife

Desenvolver o hábito da leitura é importante e necessário para as crianças desde os primeiros anos e há inúmeras pesquisas e estudos que mostram a relevância disso. Por outro lado, tem sido cada vez mais desafiador para as escolas brasileiras criarem projetos que motivem seus alunos, familiarizados com os meios digitais, a desenvolver o prazer pela leitura de livros.

No Recife (PE), o Colégio Elo encontrou uma maneira inovadora para criar e estimular o hábito de ler nos alunos do Ensino Fundamental – Anos Iniciais, que foi, entre outras ações, incluir a dramatização de uma obra ao final do ano letivo em um Teatro da capital pernambucana. Denominado “Paixão de Ler”, o projeto que existe há 12 anos tem início logo nos primeiros dias de cada ciclo letivo, com a escolha do livro a ser lido por cada turma.

Ao longo do ano, todos os dias, por cerca de 10 a 20 minutos, são feitos levantamentos de informações contidas nas obras, inclusive com preenchimento de fichas, leituras das histórias, interpretação das diferentes perspectivas, para então, ao final do ano, ser elaborada uma peça teatral. Além da obra escolhida, os estudantes têm à disposição outros livros, os quais podem até ser levados para casa.

Da estante da escola até o tablado do Teatro Luiz Mendonça, em Boa Viagem, o estudante vai criando a motivação e o hábito pela leitura graças a participação dos professores e amigos, no colégio, e a dos pais, em casa. “Durante o processo percebemos em sala de aula a evolução dos alunos, especialmente na interpretação de textos em todas as disciplinas”, diz o diretor-pedagógico e fundador do Colégio Elo, José de Anchieta Bezerra Wanderley.

Ele reforça que o contato com as obras contribui com outros desdobramentos relevantes no aspecto educacional. “Percebemos também um ganho muito grande de concentração dos alunos e um desenvolvimento cada vez maior do pensamento crítico em relação às histórias, que é um dos principais objetivos do projeto”, completa.

Se você é professor, aluno ou gestor, compartilhe seus projetos pedagógicos com o pH. Quanto mais dividimos o nosso sucesso, mais ganhamos força. Vamos juntos? Envie-nos a sua história.

Esportes ajudam a melhorar o rendimento nos estudos

28Veículo: Metrô News

Data: 28/02/2018

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Illinois (EUA) mostrou que os estudantes que praticam esportes regularmente têm um rendimento escolar 20% maior do que os outros alunos.

Os exercícios físicos ajudam a aumentar a concentração, fixando melhor o conteúdo estudado. Além disso, o esporte colabora para o convívio social, autoestima, pré-disposição, diminui a ansiedade, melhora a memória e as noites de sono.

Leia Mais

Faltam 37 semanas para o Enem 2018: veja dicas para planejar os estudos

Veículo: G1.com

Data: 15/02/2018

O carnaval chegou ao fim, os novos calouros se preparam para o início da faculdade e os estudantes do terceiro ano do ensino médio, ou que ainda não passaram no vestibular, já devem começar a planejar os estudos. Pouco mais de 260 dias separam esta semana e o primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2018), o que equivale a 37 semanas.

Leia Mais

Iniciativa recolhe cerca de 1 tonelada de resíduo por ano e ajuda a formar jovens dispostos a contribuir para um mundo menos poluído

Projeto conscientiza cidade de Rio Bonito (RJ) sobre responsabilidade ecológica do lixo eletrônico

Com os avanços do mercado de eletroeletrônicos e da obsolescência dos dispositivos tecnológicos, a quantidade de lixo eletrônico descartado no mundo tem gerado preocupação para as autoridades internacionais. Dados do Programa para o Meio Ambiente da ONU (Pnuma) mostram que cerca de 50 milhões de toneladas de “e-waste” serão produzidas este ano.

Dentro desse quadro o Brasil não é exceção, produzindo 1,4 milhão de toneladas anualmente. A compreensão sobre esse tipo de problema é necessária à medida que agentes químicos presentes em baterias, computadores e celulares contribuem para o aumento da poluição no planeta. Desenvolvido para conscientizar os estudantes sobre a importância da responsabilidade ecológica, o Colégio Rio Bonito, de Rio Bonito (RJ), criou um polo de coleta para toda a região.

A iniciativa recolhe cerca de 1 tonelada de lixo eletrônico por ano, além de receber a visita de empresas do ramo da tecnologia que descartam seus resíduos inutilizáveis. “Esse material que ficaria corroendo a natureza por tentas décadas agora será trabalhado de uma forma ecológica”, conta o diretor do Colégio, Marcelo Badr.

A iniciativa, que está em seu quarto ano consecutivo, começou com a necessidade de colocar em prática o conteúdo aprendido na sala de aula. “Foram trabalhadas a autonomia e a responsabilidade ecológica dos alunos a partir da conscientização cívica, que educa os jovens para que possam, no futuro, viver em um mundo melhor”, explica.

Pilhas, baterias, celulares, notebook, impressoras, além de outros aparelhos foram gradativamente enchendo os depósitos de coleta. Após o sucesso inicial, o projeto foi ampliado para toda a cidade, ganhando adesão da própria Prefeitura, que divulgou em todas as escolas da rede municipal. “Pelo fato de muitos recolherem os lixos em suas vizinhanças, o bocaa boca das crianças ajudou a expandir o projeto” conta Badr.

Depois de recolhido, o lixo é entregue a uma ONG local que trabalha com a produção de objetos por meio desses resíduos.

Se você é professor, aluno ou gestor, compartilhe seus projetos pedagógicos com o pH. Quanto mais dividimos o nosso sucesso, mais ganhamos força. Vamos juntos? Envie-nos a sua história.

Passeio ciclístico reúne a comunidade para promover a cidadania e a conscientização em Angra dos Reis, RJ

No projeto Coopedalar, alunos têm aulas de educação no trânsito e de primeiros socorros

A prática de esportes auxilia na concentração, na coordenação motora e ainda colabora com o aspecto social da criança e do adolescente. Se os dados da Pesquisa Nacional de Saúde apontam que 70% da população brasileira é sedentária, a escola tem papel importante na mudança dessa mentalidade nas próximas gerações.

Pensando em promover a saúde e a interação entre escola e comunidade, o Colégio Cooperar, de Angra dos Reis (RJ), organiza, desde 2014, o Coopedalar. O projeto surgiu como um passeio ciclístico de 7 quilômetros pela cidade turística e, nesse ano, contou com 500 participantes, entre eles alunos, professores, pais e amigos da escola.

“O primeiro Coopedalar teve adesão de cerca de 250 pessoas. Em 2015, aumentou para 300 e segue crescendo gradativamente. Isso acontece devido a mobilização de pais e alunos e por conta também da divulgação que realizamos pelas redes sociais e pelo Whatsapp. Hoje, já existem grupos de ciclistas que aguardam ansiosamente o evento” conta a diretora pedagógica do Cooperar, Gisleine Aquino.

Antes do passeio, a escola promove o Dia da Mobilidade, um ciclo de palestras que auxilia na preparação e na conscientização dos alunos sobre a cidade. Especialistas em trânsito realizam debates e a Defesa Civil dá aulas de primeiros socorros. Já os ciclistas profissionais orientam sobre a importância de prestar atenção no trânsito enquanto “pedala”.

“É importante mostrar aos estudantes como a prática de esportes promove a saúde e o bem-estar, mas também é necessário falar sobre como a bicicleta, se utilizada para pequenos deslocamentos, pode ajudar a diminuir o trânsito caótico dos centros urbanos” diz Gisleine, ressaltando que a direção irá construir um bicicletário em 2018 com o objetivo de incentivar os alunos a irem para a escola de bicicleta.

Solidariedade sobre rodas

Para participar do passeio ciclístico, o interessado deve levar um quilo de alimento não perecível no dia do evento. Em 2017, o Cooperar arrecadou meia tonelada de mantimentos, que posteriormente foram doados para duas instituições filantrópicas.

Se você é professor, aluno ou gestor, compartilhe seus projetos pedagógicos com o pH. Quanto mais dividimos o nosso sucesso, mais ganhamos força. Vamos juntos? Envie-nos a sua história.

Estudo antes, férias depois

Veículo: Destak

Data: 19/01/2018

Para quem vai prestar vestibular ou fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) antes de decidir abrir mão das férias ou dos estudos, é preciso pensar primeiro para qual curso você está estudando. De acordo com Renan Garcia Miranda, diretor do Anglo Vestibulares, em São Paulo, carreiras como medicina, direito, engenharia ou arquitetura, por exemplo, demandam mais dedicação. “Uma semana bem descansada é suficiente para retomar os estudos no segundo semestre”, orienta. Para quem escolheu carreiras menos concorridas e é um bom aluno, que vem se dedicando bem aos estudos, pode parar e descansar durante todas as férias.

Leia Mais