Sistema de Ensino pH esclarece dúvidas de educadores sobre a BNCC na Bett Brasil Educar 2019

Autores do sistema também participaram da maior feira de educação da América Latina mostrando as atualizações e transformações do setor

O Sistema de Ensino pH marcou presença na feira Bett Brasil Educar 2019 levando ao público ferramentas tecnológicas que auxiliam no entendimento das novas diretrizes da Educação. O evento, realizado em São Paulo na última semana, contou com quatro dias de palestras e mais de 250 expositores de todo o país.

No estande do pH, os visitantes foram apresentados à Smart Window, um display LCD interativo e inovador que mostrava os principais pontos discutidos pela Base Nacional Comum Curricular como respeito à diversidade religiosa, alfabetização antecipada e direitos humanos.

O diretor do Sistema de Ensino pH, Cláudio Falcão, disse durante o evento que, embora a aplicação da BNCC já esteja sendo discutida há um tempo, muitas instituições e profissionais ainda se sentem despreparados quanto a aplicação das diretrizes.

“É provável que a implementação da BNCC nas escolas seja o grande tema da Bett Brasil Educar pelos próximos três anos. Nesse ponto, o material do Sistema de Ensino pH está adiantado. O livro do Fundamental I já foi reformulado e o novo Fundamental II chega às escolas no ano que vem totalmente adaptado”, afirma Falcão.

Mariana Figueiredo, Cláudio Falcão e Taciana Gatto

Os autores do material do Sistema também marcaram presença na feira. Mariana Figueiredo, que escreveu os livros de história do primeiro ano do Ensino Fundamental, disse que ficou satisfeita ao ver pessoas querendo discutir sobre educação. “Acredito que a educação está em constante transformação e, por isso, é fundamental falar sobre. É importante ter um olhar mais amplo e me sinto feliz por estar construindo um material que tenha esse olhar maior para o aluno”, conta Mariana durante a feira.

Já Taciana Gatto, autora do material de ciências do quinto ano do Fundamental I, se surpreendeu em sua primeira participação no evento. “As palestras foram muito atuais e a gente conseguiu estar envolvida tanto no congresso quanto nos estandes para ter esse contato com as escolas”, conclui a profissional.

Aluna do Sistema pH participa de Olimpíada Brasileira de Biologia

Eduarda Moraes, 16, está na 2ª série do Ensino Médio do Colégio Espírito Santo (RS)

A estudante Eduarda Moraes, 16, foi a única representante de Canoas (RS) a participar da segunda fase da Olimpíada Brasileira de Biologia 2019, que aconteceu em abril. A aluna do Colégio Espírito Santo fez parte da lista de 175 gaúchos com nota maior ou igual a 20 na prova da primeira fase, que teve participação de quase três mil estudantes de 58 escolas públicas e particulares do Estado. Em todo o Brasil, participaram 125 mil alunos na primeira fase, sendo 8,2 mil aprovados.

Desde que soube da aprovação na primeira fase, Eduarda intensificou os estudos, refazendo provas de edições passadas da olimpíada e pesquisando os conteúdos cobrados. Nesse sentido, ela ressalta a importância do material do Sistema de Ensino pH. “O pH é bem regrado e traz muito mais conteúdo e exercícios, além de todo um apoio de monitores on-line para ajudar a esclarecer dúvidas na hora de estudar. E fazer exercícios é o caminho para aprender”.

A paixão de Eduarda Moraes pela Biologia vem de pequena. A estudante do Colégio Espírito Santo não lembra exatamente quando despertou esse interesse, mas afirma que sempre foi fascinada pelo estudo da vida, principalmente da área relacionada à botânica. Tanto que ela mantém, desde 2017, um herbário, pequeno caderno onde cataloga plantas que encontra no caminho da escola.

“É um hobby que conecta tudo o que aprendo. Ao fazer o herbário gravo mais as características e a taxonomia das plantas, fixando os nomes de família, gênero e espécie”, afirma.

Por ser a primeira participação do CES na Olimpíada Brasileira de Biologia, a professora Aline Beatrici conta que não projetava aprovados para a segunda fase. “Mais de 30 alunos tiveram interesse em participar. Confesso que ao olhar as provas anteriores, não acreditava que algum aluno passaria da primeira fase. Minha surpresa foi grande não só ao ver que a Eduarda conseguiu passar para a segunda fase, mas que outros alunos ficaram bem próximos da nota de corte”, se orgulha.

Aline atribui o resultado à metodologia do Sistema de Ensino pH. “A Eduarda iniciou no Ensino Médio junto com o Sistema de Ensino pH e ela incorporou esta proposta. É uma aluna que se dedica aos estudos e vai além da aula dada”, complementa a supervisora Sandra Clavé. A classificação de Eduarda motivou alunos e professores de outras disciplinas a inscrever o CES em diferentes olimpíadas nacionais.

Quero Bolsa: Macetes de Física para o Enem

Veículo: Quero Bolsa

Data: 19/05/2019

Hoje é Dia do Físico! A data (19/05) foi escolhida em homenagem ao gênio Albert Einstein, que divulgou sua Teoria da Relatividade, que revolucionou a física, em 1905. E aproveitando esse dia, reunimos famosos macetes para decorar as principais fórmulas de Física para o Enem!

O professor de física Fabrício Cortezi, do Sistema de Ensino pH, comenta que os conteúdos de Física que mais caíram nos últimos anos no Enem foram: OndulatóriaEletricidadeMecânicaTermodinâmica. “As questões desses temas são sempre associadas a aplicação em problemas”, avisa o professor.

Para resolver as questões, é necessário entender e aplicar as fórmulas específicas de cada matéria. Como são muitas fórmulas para lembrar, muitos professores costumam ensinar alguns macetes que ajudam a decorar cada uma delas.

Leia mais

Quero Bolsa: E se eu não souber nada sobre o tema de Redação do Enem?

Veículo: Quero Bolsa

Data: 15/05/2019

Primeiramente, calma! Respira fundo e vamos lá. Muitos vestibulandos que se preparam para o Enem se preocupam com o tema da redação e os mais espertos treinam os possíveis temas do ano.

Antes de tudo, saiba que o tema da redação do Enem nunca será um tema totalmente desconhecido. Sempre serão abordados problemas que afetam a sociedade em geral, com temas sobre educação, saúde, segurança ou transporte público. “A prova não cobra conhecimentos muito restritos e assuntos de rodapé”, tranquiliza Sérgio Paganim, coordenador de Linguagens do Anglo Vestibulares.

Entretanto, em algumas edições, a prova trouxe alguns temas que são importantes, mas menos abordados no cotidiano. Foi o caso do tema “Publicidade infantil em questão no Brasil”, de 2014 e “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”, de 2018 que pegou alguns candidatos de surpresa.

Para esses casos, trazemos uma boa notícia: é possível fazer a redação mesmo sabendo pouco sobre o temaUfa! Isso porque o Enem exige uma estrutura de redação que é a mesma independentemente do tema e é possível ter uma boa nota somente seguindo essa estrutura à risca.

Os textos de apoio trazem informações e dados sobre o tema que podem ser usados como ponto de partida na hora da argumentação. Mas, cuidado para não copiar trechos da coletânea, pois isso não é permitido e você pode perder pontos.

Ao fazer referência a dados estatísticos, por exemplo, cite a fonte da pesquisa e o ano em que ela foi realizada. Se não for possível citar a fonte, Thiago Braga, professor de Redação do Sistema de Ensino pH, orienta que seja feito da seguinte forma: se no texto há “67% dos brasileiros possuem dívidas financeiras”, é possível citar algo como “a maioria dos brasileiros possuem dívidas financeiras”. “O ideal é se valer das ideias, jamais copiar trechos”, conclui o professor Thiago.

Leia mais

Nube: Um novo perfil de professores

Veículo: Nube

Data: 14/05/2019

A dinâmica clássica entre educadores e alunos passivos vem caindo em desuso, por isso, muito se discute sobre a nova figura do professor. Um dos caminhos para se tornar relevante em sala de aula é inspirar os estudantes. Saiba mais em nossa matéria!

Para Cláudio Falcão, diretor do Sistema de Ensino pH no Rio de Janeiro, essa inspiração não precisa ser necessariamente para uma carreira. “Muito além de uma profissão específica, é possível influenciar uma postura e uma visão de mundo”, comenta. O especialista também aponta a importância da contextualização da matéria com o cenário atual. “Como os discentes constantemente perguntam a utilidade das matérias aos docentes, isso se torna um diferencial. Se conseguimos mostrar como o aprendizado faz parte do cotidiano e da realidade, o conteúdo passa a fazer sentido”, explica.

Leia mais

Terra: Sistema de Ensino pH alia tecnologia com BNCC para a feira Bett Brasil Educar 2019

Veículo: Terra

Data: 13/05/2019

Adequar-se às novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular, BNCC, é um dos maiores desafios para as instituições de ensino em 2019. Considerando que as mudanças devem ser colocadas em prática ainda neste ano, é necessário se programar e traçar estratégias que possam auxiliar o processo de implementação e adaptação. Pensando nisso, o Sistema de Ensino pH traz para a sua segunda participação na maior feira da educação da América Latina, a Bett Brasil Educar, os materiais dos Anos Iniciais – Ensino Fundamental, que já estão atualizados com a Base e as principais informações que os educadores precisam saber sobre o documento.

Para melhorar a experiência do educador com o material e entender as principais mudanças, o conteúdo será apresentado por meio da Smart Window, um display LCD interativo e inovador. A ideia é mostrar os principais pontos discutidos pela base, como respeito à diversidade religiosa, alfabetização antecipada e direitos humanos, além de proporcionar uma interação com a tecnologia, já fazendo uma imersão com a cultura digital, uma das 10 competências gerais estabelecida pela BNCC.

Ao tocar na tela da Smart Window, a animação acontecerá mostrando o conteúdo escolhido pelo visitante. “É a união do físico com o digital, proporcionando a melhor experiência tecnológica para exposição de materiais”, afirma Fabrício Cortezi, coordenador e autor do Sistema de Ensino pH.

Leia mais

UOL: Enem 2019: como se preparar nas 25 semanas antes da prova

Veículo: UOL Educação

Data: 12/05/2019

As inscrições para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2019 foram abertas na segunda-feira (6). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro. Até lá, o aluno tem 25 semanas para se preparar e revisar o conhecimento adquirido durante o ensino médio.

Mas, antes de separar uma pilha de livros e apostilas e começar uma maratona de estudos, a preparação para o Enem exige um planejamento detalhado. O UOL conversou com especialistas sobre como organizar esse tempo e o que fazer para que as 25 semanas rendam mais.

A resolução de provas anteriores e de simulados também deve fazer parte da rotina. Para Cláudio Falcão, diretor do Sistema de Ensino PH, esse é o melhor método para definir qual conteúdo estudar. “Tem que focar. O aluno acha que vai ter muito tempo em 25 semanas, mas pode cometer um erro clássico: achar que precisa estudar tudo de novo. Ele deve priorizar aquilo que não sabe.

Como descobrir isso? Pela realização de simulações”, diz. A recomendação é que o aluno faça uma prova a cada duas semanas ou pelo menos uma prova por mês. Uma dica é usar os finais de semana para os testes.

Leia mais

É hora de intensificar os preparativos para o Enem 2019

Abertura das inscrições é sinal de alerta para os estudantes continuarem focados nos estudos

As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram abertas nesta semana e aumentaram os ânimos e a ansiedade de estudantes e educadores. A partir de agora, o foco na preparação para a prova, que ocorre nos dias três e 10 de novembro, fará toda a diferença.

Segundo o diretor do Sistema de Ensino pH, Cláudio Falcão, depois de definir os objetivos, o estudante precisa tornar o estudo eficiente e produtivo. “O primeiro passo para vencer o desafio do Enem é o tempo. E para isso ainda dá para o aluno se exercitar, pois é necessário prática. É importante fazer os últimos exames, responder as questões simulando o dia da prova e controlando o horário”, indica Falcão.

O diretor ressalta a importância de ajudar o estudante a construir um plano de estudo, para evitar a repetição de erros do passado e para estabelecer uma rotina saudável. “Nesse momento, a prioridade é o estudo, mas não é necessário apagar todo o resto. Com planejamento, existe espaço para relacionamentos, descanso e para família, que também são importantes para o dia da prova”, completa o diretor.

As inscrições do Enem vão até o dia 17 de maio e podem ser feitas pelo site do Inep. O próprio portal elenca dicas importantes para a prova, desde sobre a isenção do pagamento de taxa até a solicitação de atendimento específico no dia do exame. O cartão de confirmação da inscrição será disponibilizado em outubro.

Nova Escola: Campos de Experiência na prática: como trabalhar “corpo, gestos e movimentos” na Educação Infantil

Veículo: Nova Escola

Data: 06/05/2019

O segundo Campo de Experiência da BNCC propõe a exploração dos espaços, das sensações e brincadeiras como forma de descobrir possibilidades e limites corporais

NOVA ESCOLA tem se dedicado a analisar a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da Educação Infantil e trazer uma série de propostas sobre como traduzir o novo documento em boas práticas na escola. Um dos trechos mais relevantes da BNCC trata sobre os Campos de Experiência, cinco pontos que instigam a reflexão dos educadores sobre quais são as experiências fundamentais para que a criança aprenda e se desenvolva integralmente – e que você pode complementar com curso sobre o tema e planos de atividade produzidos pelo nosso Time de Autores..

Nesta série, iniciada com “O eu, o outro e o nós”, trazemos exemplos de atividades que professores de todo o país estão desenvolvendo com bebês e crianças tendo como base os Campos de Experiência. Desta vez, vamos tratar sobre o campo “Corpo, gestos e movimentos”.

É importante apontar que, como ressalta a própria BNCC e diversos especialistas em Educação, as atividades podem e devem abarcar mais de um Campo de Experiência ao mesmo tempo, a depender da criatividade e proposta dos educadores. Aqui, buscamos destacar nos relatos dos professores aqueles campos que são preponderantes, enfatizando os impactos e possibilidades de cada um deles.

Embora a Educação remeta, em grande parte, ao desenvolvimento de competências psicológicas e habilidades cognitivas dos indivíduos, o corpo, suas sensações e todo o aspecto físico não podem ficar de fora do processo educacional das crianças e bebês. O segundo Campo de Experiência da BNCC foi fundamentado justamente nessas necessidades. “O corpo, na Educação Infantil, ganha centralidade por meio das diferentes linguagens, como a dança, a música, o teatro, as brincadeiras”, aponta Aline Castro, autora do Sistema de Ensino pH e coordenadora pedagógica. O campo coloca o foco na busca por descobertas sensoriais dos pequenos, com ênfase na interação da criança com o meio e com os outros. “Com gestos e movimentos, eles experimentam suas potencialidades e limites”, explica Aline.

Leia mais